A VERDADE ERROU?

Assistindo uma live de um grande amigo, que também luta contra a Democracia Ciborgue e Pós-Verdade, como eu, outro dia eu confesso que tive sono. E a live era aproximadamente de dez minutos. Eu não sou intelectualmente o Pondé, mas também não sou um bolsonarista parvo. Estou no meio do caminho. Mas comecei a imaginar como um bolsonarista anuviado, vendo aquela live, poderia entender alguma coisa se eu, que entendo, fiquei com sono?


Em Administração de Empresas, onde eu sou mestre, todos nós sabemos que o objetivo da propaganda é atingir o consumidor. Para tal é necessário que o consumidor consiga compreender a propaganda. Na história da propaganda, já houve propagandas fantásticas, que foram premiadíssimas em concursos da área, porém foram um retumbante fracasso com seu objetivo: o público. É o típico caso de um publicitário falando para outros publicitários. Não adianta falar apenas para o público que entende. Outro erro da propaganda é falar apenas para o público que já é cliente, a não ser que se trate de um time de futebol, o objetivo é expandir a base de clientes e não apenas se comunicar com ela.


Um cara, levemente mais inteligente do que eu uma vez disse: A definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes. Um “tal” Albert Einstein. Porém é o que muitos amigos acadêmicos, jornalistas, intelectuais e muitos outros, que lutam contra a Democracia Ciborgue e Pós-Verdade estão fazendo há tempos! Vamos ser francos, não adianta ficar parafraseando Kant, citando Durkheim, falando sobre o filme La Luna e contar sobre Shoko Asahara e a Verdade Suprema, apenas para alguém que já os conhece ou consegue entender quem eles foram, o que fizeram e o que significaram. Convencer quem já sabe a Verdade não é lutar contra a Pós-Verdade, é apenas mais do mesmo.


Esta é uma crítica aos meus amigos e para mim mesmo. Eu não vivo de IBOPE, pois não ganho nada com minhas ações nas redes sociais ou outras mídias, por isso não ligo para seguidores, curtidas e republicações de meus textos e links na internet. Por isso aplico a minha metodologia própria da “Hiper-Verdade”, que consiste em submissão do perfil anônimo justamente pelo seu anonimato, ridicularizo o mesmo, tornando-o um palhaço interpretando no palco, nunca o deixo sem rebater a Pós-Verdade dele, pois: Se você entende como o universo funciona, de certa forma pode controlá-lo. Um senhor mais famoso do que eu, chamado Sir Stephen Hawking uma vez disse isso. Percebem que citei apenas intelectuais lendários, que além da produção científica obvia, tinham capacidade excepcional de simplificar a verdade ao ponto de torna-la compreensível para muita gente.


Eu não sou muito bom em falar, sou melhor escrevendo e não gosto e nem consigo pautar minhas palestras previamente. Na minha nada modesta opinião, momentos brilhantes podem ser escritos, mas não falados justamente porque falar é fácil. A prova disso é que qualquer youtuber consegue. Portanto é melhor falar lendo meus textos.


A Pós-Verdade utiliza conceitos muito antigos, que já foram utilizados na primeira metade do século em mídias “oficiais” com muito sucesso:


Uma mentira contada mil vezes, torna-se uma verdade.


Nós não falamos para dizer alguma coisa, mas para obter certo efeito.


A essência da propaganda é ganhar as pessoas para uma ideia de forma tão sincera, com tal vitalidade, que, no final, elas sucumbam a essa ideia completamente, de modo a nunca mais escaparem dela. A propaganda quer impregnar as pessoas com suas ideias. É claro que a propaganda tem um propósito. Contudo, este deve ser tão inteligente e virtuosamente escondido que aqueles que venham a ser influenciados por tal propósito NEM O PERCEBAM.


Dê-me o controle da mídia e farei de qualquer país um rebanho de porcos.


Todas estas frases são de um publicitário famoso do passado chamado Joseph Goebbels...


Não adianta enfrentar a Democracia Ciborgue e a Pós-Verdade com a Verdade Difícil. A capacidade de tornar a Verdade acessível, como fizeram Hawking e Einstein é primordial. Se você não acredita que a verdade e a ciência podem ser da fácil assimilação e populares recomendo assistir a série Cosmos, do falecido Carl Sagan com um remake do Neil de Grasse Tyson.


A Verdade pode ser transmitida de maneira simples e ridicularizando a Pós-Verdade. Se você não acredita leia o Livro “South Park e a Filosofia” coordenado por Willian Irwin e coletânea de Robert Arp. Se quiser ser ainda mais simples e genial ainda leia “Calvin e Haroldo, O Livro do Décimo Aniversário por Bill Watterson”. Se quisermos um pouco mais de sofisticação existe o livro “O que Fazer com os Babacas” de Maxime Rovere. O próprio Matthew D’Ancona, no último capítulo do seu livro “Pós-Verdade” já apontava para este caminho.


Intelectualismo sem comunicação de massas não resolve em nada o problema da Pós-Verdade e a Democracia Ciborgue da Bog Right. Temos que ser pragmáticos.

Eu já disse e repito:


As respostas a Pós-Verdade têm que ser rápidas e preparadas para desestimular as respostas irracionais dos “animadores de auditório” profissionais da Democracia Ciborgue.


Use um imperativo emocional ao seu favor e, quem combater a Pós-Verdade e a Democracia Ciborgue, também deverá usar imperativos emocionais adequados ao seu perfil. As “reprimendas” precisam corresponder à cultura vigente.


A verdade precisa de um “marketing de empoderamento” para vencer o “marketing de inadequação” da Democracia Ciborgue com a Pós-Verdade.


Ridicularize os MAVs e as Fake News. Ridicularizar é uma força que desmascara as mentiras. Derrotar nosso inimigo e enterrá-lo dá muito trabalho, é mais fácil vesti-lo com uma roupa de palhaço e fazê-lo atuar como.


A Pós-Verdade contamina tudo o que toca, incluindo a sanidade mental básica. Neste caso o maior perigo da Pós-Verdade é quando nosso olfato começa a falhar com o “fedor das mentiras”. Não podemos recuar nunca. Resiliência é fundamental. Temos que higienizar continuamente a verdade.


A Inteligência Artificial será a morte da Pós-Verdade. As automações baratas, de marketing digital que a Democracia Ciborgue utiliza não são pareô para “IA”.


Se vocês ficarem com fazendo lives e textos incompreensíveis para 99% das pessoas terão apenas 1% delas assistindo ou lendo. É melhor fazer em formato de ASMR pelo menos para ganhar algum dinheiro com monetização e alguém fora da bolha ver.


É o que eu tinha para dizer.


Só por curiosidade:


ASMR – Autonomous Sensory Meridian Response – refere-se a uma sensação agradável de parestesia ou formigamento, geralmente sentida na região do couro cabeludo, na parte de trás da cabeça ou do pescoço em resposta a algum estímulo sensorial. O fenômeno foi comparado à sinestesia auditiva-tátil. ASMR expressa à experiência subjetiva de "euforia de baixo grau" caracterizada por "uma combinação de sentimentos positivos e uma sensação distinta de formigamento estático na pele". Mais comumente desencadeada por estímulos auditivos ou visuais específicos, e menos comumente pelo controle de atenção intencional. Um estilo de vídeos com a intenção de estimular ASMR se desenvolveu na cibercultura nos últimos anos, no qual existem mais de 13 milhões publicações no Youtube, com uma comunidade de produtores de conteúdo dedicados ao tema. O interesse público no ASMR aumentou dramaticamente durante a segunda metade da década de 2010, quando passou a ser amplamente utilizado para promoção de relaxamento, sono e bem-estar. Utilização popular já suportada por estudos científicos que indicam que o ASMR é uma experiência confiável e com raízes fisiológicas que pode trazer benefícios terapêuticos para a saúde mental e física.

Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.

Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.