COMO NÃO SER NINGUÉM?

Uma visão científica, com um exemplo prático recebendo o laudo online!


Quem acompanha o Estocástico conhece muito bem minhas visões sobre as redes sociais, especialmente o Twitter e a Democracia Ciborgue, dos Trolls, Sockpuppets, Milicianos Virtuais (anônimos, semianônimos e muito raramente reais), Pós-Verdades, Fake News, Falácias, Teorias Conspiratórias Malucas, Realidades Alternativas, Ameaças Infantis e Prepotências Ufanas. Tudo isso regado a muito bolsolavismo ou lulopetismo, aqui no Brasil.


Em geral, estas pessoas autoritárias e resignadas, possuem muito ódio, recalques, frustações, inveja, fracassos, problemas e por muitas vezes são até psicopatas ou sociopatas no mundo real. Quando o problema não é psiquiátrico, muitos são vítimas de alienação religiosa, má formação educacional, abusos familiares, monetização política e, principalmente, são manipulados e modulados virtualmente pelas e através das redes sociais, por grupos político-econômicos sectários dualistas (esquerda e direita do mundo maniqueísta bidimensional).


Por estas e outras razões a maioria destas pessoas se escondem por trás de um perfil anônimo, que por si só já configura uma violação da constituição federal do Brasil. A constituição federal afirma que é livre a manifestação do pensamento, mas veda o anonimato. A livre expressão da opinião é um direito garantido pela constituição brasileira, mas também o é o direito de resposta e à indenização por danos morais, razões pelas quais o anonimato não é permitido. Resumindo: artigo 5º, inciso IV, da Constituição Federal assegura a liberdade de manifestação do pensamento, mas veda o anonimato.


Muitas destas pessoas até usam seu nome real (com erros propositais) ou parte dele, bem como suas fotos, tão modificadas, que nem representam mais a pessoa real efetivamente. E mesmo com fotos e nomes (quase) reais, não há a ligação com nenhuma rede social mais séria, como o LinkedIn ou algum site similar, que identifiquem quem é de fato a pessoa no mundo real, quais suas ocupações realizações e qualificações. É um anonimato efetivo mesmo que camuflado com falácias e ameaças judiciais pelos "direitos dos anônimos".


Por conta do anonimato efetivo, todos os milicianos da Democracia Ciborgue são experts e versados em todos os assuntos e ciências São verdadeiros gênios anônimos perdidos da humanidade, espalhados pelas redes sociais. São acusadores, jurados e juízes (as vezes até carrascos) sobre tudo e todos. Pior que papel, que aceita tudo, são as redes sociais, que além de aceitarem tudo, você não pode jogar no lixo, como faço com os muitos currículos “Fake News”, que chegam em minha mesa, de gente como essa. E pior, ainda geram efeito manada, cardume e borboleta com todas suas Fake News, pelo mundo afora, prejudicando muita gente.


Então, quando me deparo com uma coisa destas no Twitter, faço duas perguntas e uma afirmação: “Quem é você no mundo real? Tem LinkedIn? Eu tenho, te vejo por lá!”. Seguido por um “block” para o insignificante anônimo efetivo, uma jagunço político virtual, se remoer.


O Twitter, em sua idealização, seria um espaço para pássaros voando e gorjeando. Mas quando se trata de MAV (Milicianos Anônimos Virtuais) não passam de galinhas, rastejando, ciscando e cacarejando...