EXCRETANDO O BOLSONARISMO!

Atualizado: há 6 horas

As eleições municipais estão chegando e precisamos excretar o bolsonaristas, cristãos justiceiros, conservadores borderline e direita bipolar dos municípios e eleger políticos pela competência e realizações e não as posições pessoais e políticas!


Ser bolsonarista, cristão justiceiro, conservador borderline e direita bipolar não qualifica ninguém a ser um bom gestor municipal alias os preconceitos, sectarismo, fanatismo, negacionismo, charlatanismo anticientífico e principalmente suas “capivaras” provam exatamente o contrário.


Eu sou do mundo corporativo (também conhecido por mundo real), onde existe a tal meritocracia (pelo menos parcialmente), apesar de alguns picaretas notórios. A “rede social” do mundo corporativo se chama LinkedIn (https://www.linkedin.com/in/jairlorenzetti/) e nela não tem bolsonarista nem anônimo, no mundo real eles “não se criam”.


No Twitter, Facebook e Youtube encontramos muitos bolsonaristas basicamente pela razão que não é preciso tem um currículo nem um histórico profissional com realizações reais, para colocar qualquer falácia nestas redes bestiais. Assim todo mundo é “otoridade” no bolsonarismo nas redes bestiais da Democracia Ciborgue, Pós-Verdade e Fake News.


Os bolsonaristas mentem o tempo todo nas redes sociais, fazendo os seus seguidores de idiotas e os usando como uma manada, cruzando rios cheios de piranhas e jacarés. Enquanto isso eles estão na Austrália, EUA e nos gabinetes tranquilos.


E eles, os bolsonaristas, estão ganhando muito dinheiro com isso, basta ver os textos anteriores que fiz com os blogs mentirosos deles, suas editoras de livros, cursos online, suas monetizações e patrocínios para ver que esta gente, muito incompetente no mundo real, está fazendo a festa ganhando dinheiro dos trouxas.


O Brasil chegou ao fundo do buraco com o bolsonarismo. Pensamos que já tínhamos chegado com lulopetismo, mas o bolsonarismo escavou o fundo do poço e deixou ainda mais profundo.


E o pior que os empresários religiosos evangélicos, milionários, com seus “palácios”, com suas igrejas, emissoras de televisão, rádios, jornais, revistas, gravadoras gospel, blogs e sites, apesar de serem donos das empresas mais lucrativas do Brasil, suas religiões copiadas e inventadas, se fazem de santos, iludindo, manipulando e ganhando muito dinheiro com os pobres fiéis. E ainda apoiam o bolsonarismo de “várias” maneiras. Pior que o acionista majoritário, Deus, não tem direito a voto nos “conselhos de administração” destas religiões “caça níqueis”.


E os militares “reformados / reservistas” então? Com suas aposentadorias precoces e integrais, sempre um “soldo” acima de suas patentes e ainda dando apoio e “garfando” cargos no governo Bolsonaro. Sem falar as bases da “pirâmide militar”, alguns fazem o tal COF e acreditam que aquela baboseira toda é verdade. Um filósofo virtual, com primeiro grau completo e um currículo, segundo a própria filha, ainda mais “esquerdista” (na vida pessoal), que o próprio Bolsonaro.


Os servidores públicos bolsonaristas são outra forma de dúcteis brasileiros. Já foram tucanos, lulopetistas e agora são bolsonaristas. Estão sempre “à venda”, quem pagar leva. Os favorecimentos bolsonaristas notórios para os servidores públicos garantem pelo menos dez milhões de votos diretos, sem contar as suas “famiglias”. Se surgir algum governo “ufologista” no futuro, que garanta as vantagens do funcionalismo público tenha certeza, vão apoiar a “invasão alienígena”.


Como está sobrando pouca gente para pagar as contas desde o lulopetismo até o bolsonarismo, estamos rolando as mesmas para as futuras “mil gerações”, pois se for acreditar em quem tem a cara de pau e sem-vergonhice de apoiar o bolsonarismo, seja nas redes sociais, seja fora delas, só resta endividar nossos descendentes.


É por isso que temos que excretar o bolsonarismo da política e coloca-lo na justiça, para responder e pagar por seus “mal feitos”.


Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.