MANIPULAÇÃO DIGITAL?

Atualizado: Abr 22

A internet ao contrário das profecias não trouxe mais democracia, liberdade e informação.


Quando a internet foi criada, por antigos hippies, havia uma visão idílica, quase infantil, por parte dos envolvidos, de que a mesma seria a concretização da música “Imagine”, do John Lennon. Porém o futuro é especialista em desmentir profecias.


Hoje um oligopólio de empresas globais domina a internet e o maior produto comercializado pelas redes são suas informações pessoais. Na internet somos ao mesmo tempo produtos e clientes.


Redes sociais como Google, Facebook, Twitter, outras e “puxadinhos” delas conseguiram o que o mundo da propaganda sempre ambicionou: conhecer a vida pessoal de cada um dos seus clientes.


Pessoas até com um bom nível de qualificação não têm a menor noção de quanto às redes sociais sabem ao seu respeito. As redes sociais sabem tudo sobre você. Sua vida não tem mais segredos, você é basicamente é um produto vendido para as empresas.


O nível de detalhes e precisão sobre seus dados é tão grande que nem sua família sabe tanto ao seu respeito. As redes sociais cruzam todo tipo de informação sobre você, montando em seus bancos de dados em nuvem, um “avatar” cliente / consumidor seu.

Enquanto você é cliente de serviços ou produtos conscientemente, mesmo que sendo ofertados inteligentemente, até de modo induzido, para você a partir de suas informações pessoais não existe problema.


Porém o problema começa quando você não sabe que está “comprando” alguma coisa que realmente não quer e nem precisa sem ao menos saber disso.


Isso está ocorrendo nos processos democráticos eleitorais, com os recursos de marketing “one-to-one” das redes sociais, utilizados pela Democracia Ciborgue através de Pós-Verdades direcionadas especificamente para você.


As empresas de marketing digital ou mesmo especialistas “autônomos”, que trabalham com marketing político, têm acesso aos mesmos recursos que qualquer empresa, de produtos ou serviços, apenas pagando por eles nas redes sociais.


Portanto a manipulação da propaganda política, rastreando informações com algoritmos analíticos constroem retratos psicométricos bastante precisos de indivíduos, seus gostos, suas afinidades e as suas presunções. A manipulação da propaganda é ajustada não só para grupos demográficos, mas também para eleitores individuais: a aspiração acumulativa é mudar o humor público sem recorrer a ferramentas mais desajeitadas da propaganda antiquada. Por que se preocupar com as antigas técnicas de manipulação quando você tem programas itinerantes que podem soltar palavras-chave e opiniões sobre medida em redes sociais.


Mais uma vez, o objetivo é desencadear emoções, e não vencer um debate baseado em evidências. Para usar uma expressão que Bannon adora, o guerreiro político moderno procura converter em arma uma notícia falsa, de modo que ela se torne: “Um ataque suicida no coração de nosso sistema de informação. Com a bomba presa no nosso corpo vivo: a grande mídia”. Os métodos de propaganda criados na Rússia e na China migraram para o ocidente e estão sendo postos em ação sobre populações quase universalmente alheias ao fato de que suas vidas, nas redes sociais, estão sendo “garimpadas” (em busca de seus dados) por um novo complexo industrial de informações.


O fato é que as redes sociais, não querem perder seguidores, não importa quem eles sejam e o que façam, pois eles são ao mesmo tempo seus produtos e seus clientes.


Vocês devem perceber que as mídias sociais, sobre o falso pretexto da liberdade de informações e um direito ao anonimato, só revelam quem e o que fazem judicialmente após longas batalhas.


Algumas redes sociais, como o Facebook, estão utilizando “checadores” de informações independentes, tais como ABC News, AP, Fatcheck.org, PoliticFact e Snopes, visando detectar a Democracia Ciborgue e a Pós-Verdade antes que sejam praticadas. O Facebook tem perdido bastante audiência após aplicar esta vacina. Já outras redes, como o Twitter fazem justamente o contrário, incentivando e permitindo todo o tipo de perfis e práticas.


Já temos várias eleições vencidas no mundo, basicamente decididas por manipulações da Democracia Ciborgue divulgando a Pós-Verdade, com utilização massiva das redes sociais. Trump e Bolsonaro são apenas dois exemplos mais famosos. As redes sociais fornecem as informações que estes grupos precisam e ainda fazem a propaganda que eles querem, desde que bem remuneradas.


As redes sociais, principalmente o Twitter, têm feito um pequeno jogo de mostrar e dizer. Você não precisa me mostrar nada. Mas você está me dizendo tudo.

Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.

Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.