O “SOLA FIDE” DAS REDES SOCIAIS

As redes sociais, em sua atuação como mídia sem leis e sem fronteiras, se valem de conceitos fixados há milênios na consciência da humanidade, tais como o fideísmo maniqueísta.


Esta metodologia é utilizada nas religiões dualistas, até onde se conhece, desde e o zoroastrismo persa.


As religiões dualistas dividem o nosso mundo simplesmente entre: Bom, ou Deus, e Mau, ou o Diabo (maniqueísmo). Em seguida pregam que as verdades são inalcançáveis através da razão e só serão compreendidas por intermédio da fé (fideísmo).


Isto é enraizado na mente coletiva e funciona perfeitamente como ferramenta de modulação e manipulação. Não há outra opção que os usuários consigam enxergar dentro de bolhas de filtro e câmeras de eco, dentro dos “pastos” cercados que são as redes sociais.


Uma outra linha paralela religiosa, o politeísmo, que permite vários deuses imperfeitos e limitados, é socialmente bastante difícil de modular e manipular, uma vez que os deuses são mais complexos que um único deus ilimitado e perfeito. Atualmente, em termos globais, a única religião politeísta com quantidade relevante de seguidores é o hinduísmo. A complexidade de um panteão de deuses, como ocorreu na Grécia antiga, se mostrou capaz de gerar toda uma produção cultural sofisticada, com poder de influenciar a humanidade até hoje. Ela é muito perigosa para se manter um status quo social e cultural, justamente por esta complexidade imperfeita, que pode ser alcançada por uma ser humano comum. Já no monoteísmo maniqueísta fideísta a divindade é "inatingível" e "incompreensível", para qualquer ser humano entender ou questionar, tendo apenas que se "posicionar" e "aceitar".


Além disso a mensagem maniqueísta e a opção fideísta, são muito mais fáceis de serem compreendidas e assimiladas pela maioria estulta da humanidade. A opção binária, a bidimensional, dividindo tudo apenas em dois lados, é utilizada desde e a infância nos “contos de fada”, já fazendo as crianças serem moduladas desde a mais tenra idade. E isso segue pelo resto da vida para a grande maioria da humanidade.


As massas de manobra são conduzidas assim religiosamente, socialmente, politicamente, psicologicamente etc. em tudo ao longo de suas vidas, em questões de dupla escolha, onde a opção está sempre previamente decidida, por um preconceito modulado dentro da mente das massas.


É um jogo “de mentira”, onde as pessoas jogam apenas por ilusão de vitória, gerando serotonina, portanto felicidade, com muito engajamento e tempo gastos nas redes sociais.


Mas sendo modulados continuamente, são facilmente manipulados, com a inclusão de opções associativas dualistas, dentro das bolhas de filtro e nas câmeras de eco, nas quais as pessoas já estão prontas para tomar partido e até dar seu dinheiro por isso, em termos de produtos e serviços associativos, de maneira subliminar.


E o medo está junto com a outra opção, que é previamente determinada como “o mau” pelos usuários previamente modulados e manipulados.


É assim que funcionam religião, política atualmente moduladas e manipuladas pelas redes sociais, basicamente decididas por fatores econômicos, em "mansões" de investidores institucionais das empresas ou de salas dos conselhos de administração das big techs.


As redes sociais não seguem princípios éticos, morais, leis e tão pouco são regulamentadas e menos ainda com controladas pelo estado e pela justiça. Democracia e liberdade de expressão nas reses sociais estão subordinados à interesses econômicos, ou seja, são apenas uma ilusão: O resultado é previamente decidido e só existe a ilusão de escolha.


Como eu sempre digo: Com a realidade não existe a fé, sem a fé não existe o medo, sem o medo não existe a manipulação e sem a manipulação não existe o poder.