OS BURROS ATIVOS E PASSIVOS DAS REDES SOCIAIS

Bolsonaro, “The One Minute Donkey” (O Burro Minuto) e sua legião de cães raivosos e birutas nas redes sociais!


“The One Minute Manager” é uma daqueles best-sellers de autoajuda que já vendeu mais de 300 milhões de cópias desde o seu lançamento nos anos oitenta. Na época eu estava decidindo entre o curso de Administração de Empresas ou Engenharia de Produção. Minha mãe, iludida por uma amiga com diploma em Administração de Empresas daquelas faculdades de terceira linha, acabou comprando este livro para mim para ajudar na escolha. Se fosse por este livro eu nunca teria cursado Administração de Empresas.


O autor principal (o livro tem um coautor) é Kenneth Hartley Blanchard, é um autor americano, “consultor de negócios” e palestrante. Se formou em filosofia na Universidade de Cornell, em 1961, um MA licenciatura em sociologia e aconselhamento na Universidade Colgate em 1963 e um PhD formado em administração de educação e liderança em Cornell University em 1967. Visivelmente ele nunca trabalhou em e “pouco” estudou efetivamente Administração de Empresas. Mas autoajuda, disfarçada de gestão, sempre vendeu muito para os leigos.


The One Minute Manager (em coautoria com Spencer Johnson), que vendeu mais de 300 milhões de cópias e foi traduzido para 37 idiomas. Foi demonstrado repetidamente que foi plagiado extensamente a partir da pesquisa original de um ex-colega de Blanchard e Johnson, Arthur Elliott Carlisle, que nunca foi reconhecido por Blanchard e Johnson como algo mais do que um coautor subordinado.


O método do Original, dos italianos politicamente indefiníveis Beppe Grillo e Giancarlo Casaleggio, foi copiado por protofascistas e neonazistas em vários países, bem como “gurus” de “autoajuda” para fracassados e problemáticos, como Olavo de Carvalho e Steve Bannon. Consiste em seguir os mesmos modelos de manipulação e modulação digitais que as redes sociais utilizam, com “cursos”, bolas de filtro e câmeras de eco, utilizando todo o tipo de falácias, pós-verdades e teorias conspiratórias.


Assim o felizmente já deposto Trump, como o por enquanto ainda no trono de ferro, o rei louco Bolsonaro, utilizaram e a ainda utilizam, este “modelo de negócios” para arregimentar e comandar uma legião de sociopatas e psicopatas, auxiliados por “influenciadores do apocalipse” que faturam bastante financeiramente com sua militância.


Evidentemente que qualquer movimento político precisa um poder econômico o financiando para ter sucesso. Então a Alt Right norte-americana, composta por bilionários e milionários que comandam o capital especulativo nos mercados de capitais globais, bem como comandam, como sócios estatutários, as Big Techs estratégicas, financiaram isso nos EUA. Já no Brasil temos a Bog Right, com capitalistas de compadrio e capitalistas de estado, que financiaram o bolsonarismo já com um ROI (Return Over Investment) calculado. São basicamente a escória ética e moral da elite empresarial brasileira, infelizmente a maioria.


Os papéis dos “Burros Minuto” Trump e Bolsonaro é manter uma narrativa continua de falácias, pós-verdades e teorias conspiratórias, que têm efeito imediato nos psicopatas e sociopatas (respectivamente 3% e 2% da população global segundo fontes sérias). Estes são os “cães raivosos” soltos nas redes sociais para produzir efeitos de manada, cardume e borboleta. Assim como “cães raivosos”, não há cura. Como não podemos sacrificar seres humanos, só poderíamos medicar e confinar em clínicas psiquiátricas este grupo, o que é inviável, já que o número de psicopatas e sociopatas ao redor do mundo chega quase a 400 milhões de pessoas segundo fontes confiáveis.


O segundo grupo alvo é o das pessoas com limitações educacionais, culturais, religiosas e até intelectivas. Estes compõem um grupo mais volátil, porém são sem nenhuma dúvida, a maior parcela da população do planeta. Diferentemente dos “cães raivosos”, este grupo funciona de maneira mais similar a uma “biruta” utilizada em aeroportos, viram para onde o vento vai. Mas são úteis durante algum tempo para os “burros minutos”, mas não todo o tempo.


Usando jargões populares, os “cães raivosos” são burros ativos enquanto os “birutas” são os burros passivos.


Os meliantes, que tentaram um golpe de estado nos EUA nesta semana, são basicamente “cães raivosos”, ou seja: psicopatas e sociopatas. Não houve apoio do maior grupo, os “birutas”. É um claro sintoma que o modelo de negócio do “burro minuto” Trump já está em franca decadência, algo que está ocorrendo de modo ainda mais acelerado aqui com Bolsonaro.


Estes pequenos grupos, como o fascismo, o nazismo e o socialismo totalitário, já demonstraram na história moderna, podem causar danos irreparáveis para a humanidade, se chegarem ao poder, usando a massa de idiotas úteis, os “birutas”.


É por essa razão que estes “burros minutos” e “cães raivosos” precisam ser erradicados da Democracia, usando as mesmas soluções que eles pregam contra os próprios.


“Cães raivosos” não têm cura, precisam ser no mínimo enjaulados.