OS LUNÁTICOS QANON!

Atualizado: há 7 horas


QAnon é uma teoria da conspiração de extrema direita com personalidade sombria detalhando um suposto plano secreto por um suposto "estado profundo" (deep state) contra o presidente dos Estados Unidos Donald Trump e seus apoiadores. A teoria começou com um post em outubro 2017 no imageboard anônimo 4chan por alguém usando o nome Q (inspirado no seriado Star Trek), presumivelmente um indivíduo americano, mas provavelmente, especulado mais tarde, um grupo de pessoas, alegando ter acesso a informações classificadas envolvendo o governo Trump e seus oponentes nos Estados Unidos. Q acusou falsamente muitos atores liberais de Hollywood, políticos democratas e altos funcionários de se envolverem em um círculo internacional de tráfico sexual de crianças, e alegou que Donald Trump fingiu conluio com os russos para recrutar Robert Mueller para se juntar a ele na exposição do círculo e impedir um golpe de Estado de Barack Obama, Hillary Clinton e George Soros. "Q" é uma referência à entidade Q do seriado Star Trek. Os crentes do QAnon normalmente marcam suas postagens nas mídias sociais com a hashtag #WWG1WGA, representando o lema "onde vamos um, vamos todos", provavelmente para o mesmo senatório.

A teoria da conspiração, disseminada principalmente pelos apoiadores do presidente Trump sob os nomes A tempestade e o grande despertar - preceitos e vocabulário de QAnon que estão intimamente relacionados aos conceitos religiosos de milenarismo e apocalipticismo - foi caracterizada como "infundada", "unhinged", e "sem evidências". Seus defensores foram chamados de "um culto à conspiração enlouquecido" e "alguns dos fãs mais extravagantes de Trump da Internet". A inspiração deste grupo de lunáticos vem do seriado Arquivo X e suas infinitas conspirações.


Segundo Travis View, que estudou o fenômeno QAnon e escreveu sobre ele extensivamente para o The Washington Post, a essência da teoria da conspiração é que existe uma cabala mundial de pedófilos que adoram Satanás que governam o mundo, essencialmente, e eles controlam tudo. Eles controlam políticos e controlam a mídia. Eles controlam Hollywood e encobrem sua existência, essencialmente. E eles teriam continuado governando o mundo, não fosse a eleição do presidente Donald Trump, quem foi eleito para acabar com a cabala e cujas lutas nos bastidores estão sendo reveladas por "Q". "A Tempestade" é um evento antecipado no qual milhares de pessoas, membros da cabala, serão presas, possivelmente enviadas para a prisão da Baía de Guantánamo ou enfrentar tribunais militares, e os militares dos EUA assumirão brutalmente o país. O resultado será a salvação e uma utopia na terra. No mundo real muitas religiões "crentes" tem esta distopia maluca dentro de seus conceitos anuviados.

Os seguidores de QAnon começaram a aparecer nos comícios da campanha de reeleição de Trump durante o verão de 2018. A personalidade da TV e do rádio Michael "Lionel" Lebron, um promotor da teoria, recebeu uma oportunidade fotográfica com o presidente Trump no Salão Oval em 24 de agosto de 2018. Bill Mitchell, um radialista que promove a teoria da conspiração QAnon, participou de uma "cúpula de mídia social" da Casa Branca em julho de 2019. Horas depois de um relatório publicado em agosto de 2019 de que o FBI determinou o QAnon como uma fonte potencial de terrorismo doméstico - a primeira vez que uma teoria da conspiração marginal foi avaliada pela agência - um homem aqueceu a multidão antes que Trump falasse em um comício usado o lema QAnon, "onde vamos um, vamos todos", mais tarde negando que fosse uma referência do QAnon. Como a maioria dos seguidores de Trump, assim como do Bolsonaro, são pessoas lesadas com baixos QIs, deficiências mentais evidentes ou dependentes de substâncias psicoativas, podem se tornar perigosos a segurança das pessoas normais.


Origem


Uma pessoa identificada como "Q Clearance Patriot" apareceu pela primeira vez no fórum /pol/ da 4chan em 28 de outubro de 2017, postando mensagens em um tópico intitulado "Calm Before the Storm" que era uma referência à descrição enigmática de Trump de uma reunião de líderes militares dos Estados Unidos a que compareceu como "a calma antes da tempestade". "The Storm" é a linguagem da QAnon para um evento iminente quando milhares de supostos suspeitos serão presos e executados. Q mais tarde mudou-se para o 8chan, citando preocupações de que o conselho do 4chan havia sido "infiltrado". Evidentemente que a maioria destes acessos vem de pacientes de clínicas psiquiátricas ou pessoas com problemas de saúde mental sem os cuidados da família ou do estado.


Identidade de "Q"



Q é um personagem do seriado Star Trek: The Next Generation, caracterizado por ser um entidade de poderes ilimitados, interpretado pelo ator John de Lancie. Q aparece também nos seriados Star Trek: Deep Space Nine e Star Trek: Voyager. Ele vem do Continuun Q, onde todos são conhecidos como Q. O personagem secundário Trelane, do 18º episódio da 1ª temporada de Star Trek: The Original Series pode ser Q, mentindo seu nome.


Q, mais especificamente sua misteriosa civilização do qual pouco se sabe, além do fato de ser inimaginavelmente avançada e viver em um plano interdimensional, é considerada por especialistas em ficção científica e futurologia, assim também como físicos, como uma civilização do tipo IV da escala de Kardashev, a qual possuiria uma Ciência tão incompreensivelmente (para nós) avançada, que elevou-os ao status de deuses, literalmente. Q teria um pouco de semelhanças com o Deus Cristão.


Apesar de ser onipotente e onipresente ele não representa uma ameaça grave à Federação, já que seu interesse é na evolução humana e como eles lidam com seus problemas.


Reações


Em 26 de novembro de 2017, o presidente Donald Trump retweetou um tweet da conta do Twitter @MAPAPILL, uma auto-denominada "lista oficial de realizações do presidente Donald Trump" e uma das principais defensoras da teoria da conspiração, menos de um mês após a QAnon começar a publicar.


Em 9 de janeiro de 2018, o comentarista da Fox News, Sean Hannity, compartilhou material relacionado ao QAnon em sua conta do Twitter.


Em 31 de março de 2018, a atriz norte-americana Roseanne Barr apareceu para promover a teoria da conspiração, que foi posteriormente coberta pela CNN, The Washington Post e The New York Times.


Em 24 de agosto de 2018, o presidente Donald Trump recebeu William "Lionel" Lebron, um dos principais promotores da conspiração QAnon, no Salão Oval para uma operação fotográfica.


Em agosto de 2019, um vídeo postado on-line por "Women for Trump" no final de julho incluía "Q" s em dois sinais de campanha. O primeiro letreiro, que dizia " Tornar a América novamente grande ", tinha um "Q" colado no canto. O outro lado, "Women for Trump", tinha o "O" s em "Women" e "for" colado com "Q" s. As imagens que incluíam os sinais alterados foram claramente tiradas em um comício da campanha de Trump, que atraiu cada vez mais adeptos da teoria da conspiração QAnon, por isso não se sabe se esses sinais específicos foram selecionados para inclusão deliberadamente ou não. O vídeo já foi retirado.


Bandeira


Em janeiro de 2020, John Mappin (também afiliado à Turning Point UK) começou a exibir uma bandeira Q no hotel Camelot Castle, perto do castelo Tintagel, na Inglaterra .O grupo de advocacia Hope not Hate disse: "Mappin é uma figura excêntrica, considerada estranha mesmo por seus colegas de direita. Esse truque infantil é uma tentativa fraca de chamar a atenção para ele e sua organização marginal do Turning Point UK, e é melhor ser ignorado."


Fonte: Wikipédia customizada com sátiras minhas;


Conclusões


O tal QAnon nada mais é do que um dos vários grupos de resignados, recalcados, invejosos, medrosos, covardes, fracassados, lesados e doentes mentais que populam o internet no anonimato e movimentos virtuais dos cardumes de "sardinhas virtuais" completamente sem identidade e destaque pessoal.

Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.