OS ZANGÕES VIRTUAIS DO BOLSONARISMO

O zangão, zângão ou abelhão é um tipo de abelha nasce de ovos não fecundados da rainha. O zangão não possui órgãos de defesa nem de trabalho. Sua única função é fecundar a rainha em seu voo nupcial.


Um fenômeno infelizmente ainda muito comum nas redes sociais aqui no Brasil, são os zangões virtuais bolsonaristas, a maioria deles anônimos ou por pertencerem a covardes, mercenários alugados ou simplesmente são automações. É por esta razão que a analogia de nascerem de ovos não fecundados da abelha rainha é perfeita.


Analogamente aos seus correspondentes no mundo real das abelhas, os zangões bolsonaristas não possuem órgãos de defesa nem de trabalho. Isso ocorre basicamente pela razão que eles simplesmente não trabalham fora das redes sociais e não possuem defesa, por serem anônimos, ou seja, inconstitucionais. Suas existências e ações se resumem as redes sociais.


A função do zangão bolsonarista virtual, assim como os seus pares análogos em uma colmeia no mundo real, é assustar pelo tamanho (quantidade se seguidores, curtidas e RTs), serem barulhentos em seus voos e viverem apenas para fecundar a rainha (Bolsonaro) em seus voos nupciais (Pós-Verdades e Falácias).


Ficou claro nesta semana que o Twitter, que cancelou mais de 70.000 contas dos vigaristas, psicopatas e sociopatas do movimento QAnon, entre eles diversas contas administradas por poucos usuários e bots, sabia perfeitamente quem, quantos, como e o que eles faziam. Deste modo, quando se tornou lucrativo, se livrar tanto de Donald Trump, quanto de seus zangões, o Twitter assim o fez. E as redes sociais vêm fazendo o mesmo com diversos grupelhos similares, como por exemplo, os Proud Boys e vários outros. Mas isso apenas porque está deixando se ser lucrativo, não há nenhuma ética por trás destas ações.


A migração destes grupelhos para plataformas inexpressivas é mais uma pós-verdade e falácia, já que sem o público amplo das grandes redes sociais, consequentemente sem patrocinadores engajados, não iriam passar de alguns loucos bradando presos dentro de um sanatório.


Isso está ocorrendo na maior democracia do planeta e foi necessário alocar 15.000 soldados, da guarda nacional norte-americana, para proteger o capitólio até o início do mandato de Biden. Imaginem aqui no Brasil, onde nos últimos 20 anos elegemos um ex pelego sindical “propineiro”, uma ex guerrilheira que virou poste já muito lesada e um boçal e terrorista psicopata do exército, como será mais difícil eleger uma solução.


O Brasil é uma enorme colmeia, cheia de abelhas, mas sem nenhum mel!