PATRIOTA, CRISTÃO, FAMÍLIA E QUIMÉRICO!

A altiloquência de Jair Bolsonaro e de seus apoiadores é quimérica e infelizmente tem muitos crentes no Brasil, pelo menos nas redes sociais: Twitter, Facebook e Google.


Antes que as hostes carolas de ignaros, contributários das companhias evangélicas de capital fechado brasileiras, venham abolçar suas tradicionais sandices aprendam:


Significado de Crente (adjetivo): Que acredita ingênua e facilmente em algo; persuadido, crédulo, ingênuo.


Patriota


Mas vamos falar de patriotismo. Onde está o patriotismo de um astromante que nem reside no Brasil, apesar de faturar muito as custas dele. Dom Quixote de La Mancha, da obra de Miguel de Cervantes, tão vesano quanto o astromante, enfrentava os seus inimigos imaginários, “os gigantes” in loco e não proseando escatalogias a distância. Já nosso astromante enfrenta os “comunistas sliders” (oriundos de dimensões paralelas), que querem tomar o falido e devastado Brasil, confortavelmente de seu belo sítio na Virgínia, fumando seus cigarros, com uma garrafa de conhaque em frente a um computador fazendo vídeos no Youtube ou escrevendo nas redes sociais seus cropólitos.


Outro patriota, Jair Bolsonaro, já dava mostras de seu patriotismo sendo um "sindicalista-terrorista" dentro das próprias forças armadas. Inclusive com planos para explodir bombas em quartéis por um aumento dos seus soldos. Foi “encostado” na reserva precocemente até ter a idade para ser reformado e começar a carreira política de “milícias” e “rachadinhas” lá na capital mundial da corrupção, a cidade do Rio de Janeiro. Daí seguiu uma carreira política blasé, cheia de “causos” mal explicados. E como um “Chance Gardner”, do filme Muito além do jardim, não fez nada em toda sua vida laboral a não ser “cuidar do seu jardim” e ainda chegou a presidência da república. Patrioticamente ele já deve estar com os gastos sigilosos, de seu cartão corporativo, a caminho dos cinco milhões de reais ainda neste ano.


Patriotas também são os blogueiros, youtubers e até os anônimos das redes sociais que “trabalham” o tempo integral para o bolsonarismo que, conforme as matérias na mídia séria, a mais recente do Jornal o Estado de São Paulo, patrioticamente faturam rios de dinheiro do erário público e também de lorpas privados obscuros. Todos se tornando novos ricos apenas falando ou escrevendo pós verdades, fake news, difamando, caluniando, insultando os contraditores do governo e fazendo campanha política continua pró Bolsonaro. E temos também os "empresários" bolsonaristas, a maioria deles capitalistas de compadrio beneficiários assíduos de programas do BNDES e mais dezenas de linhas de crédito e isenções desde o lulopetismo, que agora foram arrebatados pelo bolsonarismo. Vamos desconsiderar como empresários, os investidores especulativos do mercado de capitais, estes ganham com modulações e manipulações de redes sociais sobre o mercado financeiro, previamente conhecidas e as vezes induzidas por eles mesmos, mas nada produzem, é só dinheiro gerando dinheiro na base da especulação sem gerar empregos de fato. Por fim os jornalistas militantes, que conseguem vagas na mídia alternativa (vulgo comitês de campanha) ou são "apadrinhados" para terem vagas na mídia tradicional. Todo “mundo muito patriota” por "amor ao Brasil" e não pelos altos estipêndios que obtêm pela suas conjecturas políticas.


Cristão


Deste lado temos os “empresários e os clientes templários”, basicamente pastores e seus “rebanhos”. No Brasil, montar uma igreja ou uma rede delas (com emissoras de rádio e televisão), é certamente o melhor negócio que existe. Tanto em termos de isenções, quanto tributação, fiscalização, prestação de contas, linhas de crédito e perdão de dívidas com o estado. Deus não está sujeito às leis dos homens, e seus procuradores estatutários, os pastores das empresas igrejas estão usufruindo essa “graça” divina. Já os “cordeiros”, pelo menos na hora do dízimo o são, se comportam como uma alcateia de hienas nas redes sociais. Andam em bandos, fazem muito barulho, atacam e destroçam suas “presas” ferozmente até os ossos. As práticas deste "rebanho" não se parecem muito cristãs (excluindo a fase da Santa Inquisição), pois eles praticam o mal em todas as suas possibilidades nas redes sociais. A maioria deles são anônimos, pois no mundo real, em geral nem cordeiros são, possuem mais similaridade com as ninhadas das ratazanas de esgoto, já que não querem sair de seus buracos pútridos de anonimato virtual.


Já em relação ao astromante ser cristão... Ele já foi e fez de tudo na vida, pelo menos segundo palavras de sua própria filha. Em termos de religiões, drogas, sexo, poligamia, política etc. Além disso as práticas discursivas cheias de cólera dele, já que é um perrengue que fica ao longe mandando os outros para o precipício, não são nada cristãs.


E os cristãos bolsonaristas anônimos e não anônimos das redes sociais são exatamente as alcateias de hienas descritas algumas linhas acima. Ficam citando passagens bíblicas enquanto uma grande parte deles cometem todos os tipos de pecados e heresias possíveis nas redes sociais, inclusive o adultério, As redes sociais, tanto para mulheres quanto para homens casados e descasados desta patuscada, são como um Tinder. Aliás, nas empresas igrejas protestantes evangélicas, é onde encontramos a maior confusão em questões familiares, em algumas delas até parece que todos os “arrebatados” já tiveram relacionamentos e filhos com todos na mesma igreja “Tinder”, sem falar no pastor, as vezes um tipo de “Gengis Khan” da paroquia.


Mas o cristão mais peculiar é o Presidente. Dizem que era católico mas entrou no protestantismo evangélico empresarial para casar com sua terceira esposa, quase trinta anos mais jovem e ex secretária do próprio. Aliás de esposas e filhos com várias delas ele entende muito bem. Teve três filhos com a primeira, engravidou a segunda ainda casado com a primeira e depois partiu para a atual, a terceira, que já tinha uma filha de um antecessor anônimo, sendo mãe solteira. E com a atual esposa ele teve sua primeira filha de sexo e gênero feminino. O cristão evangélico é fã confesso do regime militar, de assassinos e torturadores, além de um comportamento nada cristão em relação a sua vida pessoal e até como presidente, deixando quase 200 mil pessoas morrerem de covid por falta de iniciativas práticas legais e insistindo ainda na cloroquina que comprovadamente ineficaz e possui possibilidade ainda de efeitos colaterais que podem levar uma pessoa debilitada a morte. Sem falar nos maus exemplos, estimulando aglomerações sem máscaras e, conforme o professor Marco Antonio Villa, muito pouco avesso a labuta. Um cristão genocida...


Família


Então vem a Família, que com os comportamentos cristãos descritos nas linhas anteriores, são bem pouco conservadores.


Há uma distância colossal entre o que os bolsonaristas pregam em seus louvores e o que praticam em suas vidas apócrifas reais. Há doses cavalares de hipocrisia e abstração entre o ser e o pensar bolsonarista desta “direita conservadora”.


Mas questionar estas contradições deles é completamente improfícuo já que são invisuais, moucos e alálicos em relação a autocrítica de sua cáfila.


Todo bolsonarista é antes de tudo um patranheiro santanário.


Quimérico


Significado de Quimérico (adjetivo): Que faz referência a quimera. Desprovido de realidade; resultado da imaginação; em que há fantasia; utópico. Que mescla a fantasia com a realidade. Etimologia (origem da palavra quimérico). Quimera + ico.