PSEUDODALIA MAV

Observando o comportamento MAV no Twitter, qualquer pessoa com o mínimo de equilíbrio psiquiátrico percebe facilmente que se trata de um grupo de pessoas nas quais já alguma patologia bastante evidente.


Conversando com o Psiquiatra Cairbar Schutel, após passáramos horas observando o comportamento de vários MAV que se intitulam por direita conservadora no Twitter, nosso consultor psiquiátrico MAV chegou a um laudo médico que explica o comportamento do grupo: A Pseudodalia, também conhecida como “doença da mentira”.


Vamos a seguir apresentar a definição do doutor sobre a enfermidade mental que aflige este grupo de usuários do Twitter.


A Pseudolalia é uma mentira compulsiva resultante dum longo vício de mentir. A pessoa mente por mentir, perde a noção do que é verdade ou não, convence-se das mentiras como puras verdades.


A pseudolalia pode conduzir a graves distúrbios de personalidade, podendo o pseudolálico acabar por perder a sua individuação e viver num real criado imaginariamente, comportando-se duma forma difícil de contato humano e só com tratamentos profundos poderá melhorar.


As pessoas perdem lenta e gradualmente a consciência da gravidade da doença que vão adquirindo, porque a sua realidade vai perdendo cada vez mais sintonia com o verdadeiro real.


Por fim o vício de mentir é um ato inconsciente e perante a mais simples situação a fuga à verdade brota espontânea e como uma repetição compulsiva e criação de verdades inexistentes.


Existem, além destas, outro tipo de mentiras: as provenientes do chamado mentiroso compulsivo, que mente sistematicamente e aparentemente sem razão.


Aqui estamos já a lidar com alguém para quem a mentira assume contornos de dependência, tal como o álcool ou a droga.


A mentira torna-se um vício, já que é dita de forma compulsiva, ou seja, o mentiroso tem consciência que está a mentir mas não consegue controlar esse impulso. O vício compulsivo de mentir é a fuga da realidade.


Essa foi à opinião do psiquiatra Cairbar Schutel sobre os MAV da direita conservadora no Twitter.


A pseudolalia é uma doença grave. Trata-se do vício compulsivo de mentir. Segundo psiquiatras e psicólogos, a prática frequente de viver uma situação imaginária pode ser o resultado de uma profunda insegurança emocional, além de traumas de infância. A atitude funciona como um mecanismo de autodefesa para pessoas que apresentam um quadro de carência acentuada.


Estudos comprovam que crianças vítimas de uma educação julgadora, imposições, disciplinas rígidas, e que por vezes vivem dominadas com autoritarismo, são fortes candidatas à doença.

Pesquisas também demonstram que uma pessoa que carrega o vício de mentir pode não conseguir se controlar, tornando-se semelhante a quem tem o vício do jogo ou é dependente de drogas ou álcool.


Visão de quem entende


Na opinião da Dra. Leila Cury, Livre Docente, que já tratou vários casos de pseudolalia, a compulsão pela mentira é uma distorção.


"Existem pessoas que chegam ao ponto de não saber mais o que é verdade. Embora o assunto seja mais voltado para a criança, há muitos adultos vivendo o problema, o que torna a situação ainda mais grave", disse a médica.


Segundo a Dra. Leila, é muito mais fácil trabalhar o problema na infância do que na fase adulta.

A Drª Mariagrazia Marini Luwisch Psicóloga – Psicoterapeuta, especialista no tratamento do distúrbio recomenda a seguir:


O indicado para um MAV conservador de direita é uma psicoterapia, mas para isso deverá se sentir motivado para encerrar essa fase e recomeçar outra autêntica e sem mentiras.


Com a psicoterapia ele poderá compreender a origem e identificar as situações em que surge esse distúrbio e ao mesmo tempo trabalhar e reforçar a sua autoconfiança e a sua autoestima.


O vício de mentir é um ato inconsciente. Pode funcionar como um mecanismo de autodefesa ou ser o resultado de uma profunda insegurança emocional, além de traumas de infância. Pode ser uma fuga à verdade, causando uma repetição compulsiva. Podem ser pessoas vítimas de uma educação julgadora, imposições, disciplinas rígidas e que por vezes vivem dominadas com autoritarismo.


A pseudolalia provoca distúrbios de personalidade, fazendo com que o indivíduo acabe perdendo a sua individuação e viva num mundo real criado imaginariamente, comportando-se de uma forma que dificulta o contato humano.


A família é muito importante nesse momento. Deverá procurar um especialista, inicialmente um psicólogo que fará a avaliação. A família não pode mentir a respeito da doença e nem encobrir as mentiras da pessoa.


De qualquer maneira ele precisa confiar, acreditar em si próprio e na necessidade de se curar para ter uma vida normal e psicologicamente saudável longe do Twitter e outros MAV.


A Pseudolalia, originalmente conceituada em 1905, pelo médico e psiquiatra francês Ernest Dupré, é uma tendência patológica à fabulação. As histórias imaginárias do pseudolálico são, às vezes, pitorescas, bem concatenadas e induzem à convicção. Quem sofre do mal cria uma realidade paralela tão boa que passa a acreditar que vive nela.


Nota-se que em ambos os casos, no mentir compulsivamente ou patologicamente, há a necessidade de inventar fatos para sentir-se bem e equilibrar o humor. O mentiroso goza das histórias que deixam sua vida mais interessante, agitada e prazerosa e com isso recebe do outro destaque e atenção.


Dessa forma, essa doença surge como sintoma de outras questões psicológicas, como a depressão e outros problemas emocionais.


Apesar de bem elaborada as histórias fantásticas criadas por mentirosos compulsivos, é possível manter-se atento a alguns relapsos e com isso identificar o MAV conservador de direita:


1. Necessidade de atenção


Há pessoas que precisam ser o centro das atenções onde quer que estejam. A fim de manter sua popularidade em alta, logo começam a construir uma imagem de si através de mentiras mais leves. Essas mentiras rapidamente se tornam parte de suas personalidades.


2. Contador de histórias


Eles precisam sentir-se superiores aos demais e, para isso, contam histórias de sua bravura, popularidade e grandes feitos. Eles compõem grandes histórias sobre si mesmos, mas correm o risco de perder seu encanto quando a verdade vem à tona. Sabe aquela história do LinkedIn?


3. Esconder-se


Quando um mentiroso compulsivo fica preso a sua teia de mentiras, irá inventar outra história sobre como é falsamente incriminado, escusando-se de qualquer culpa ou responsabilidade.


4. Mesma história, personagens diferentes


Para manter sua “vida grandiosa” aos olhos dos outros, têm de adotar o plágio como uma parte integrante do seu comportamento. Ao contar uma mentira após a outra, podem não perceber que disseram a mesma mentira para a mesma pessoa mais de uma vez. Cada vez que se conta a mesma mentira, o conceito básico irá permanecer, sendo apenas os personagens, local e data da ocorrência mudados.


5. Baixa autoestima


Baixa autoestima é uma das principais razões que os torna mentirosos compulsivos. Um complexo de inferioridade impulsiona a pessoa a inventar histórias, o que o faz pensar que é mais importante e apreciado.


6. Déficit de Atenção e Hiperatividade (DDA)


Este é um caso mais comum em crianças, mas há também adultos com DDA que sofrem de um temperamento impulsivo e com isso exibem sintomas de mentirosos compulsivos.


7. Transtorno Bipolar


Pessoas que possuem o diagnóstico de transtorno bipolar sofrem com mudanças drásticas de humor que oscilam entre a depressão e grande agitação (comportamento maníaco). Durante o período maníaco, seu comportamento impulsivo abre caminho e isso, por vezes, os leva a mentir.


8. Dependências


Pessoas dependentes de drogas e jogos, frequentemente apresentam estes sintomas. Eles podem mentir para escapar de situações difíceis, sair de problemas financeiros ou esconder a verdade sobre si da família e amigos.


9. Negação da realidade


Pessoas que são incapazes de enfrentar a verdade, ou estão vivendo em negação da realidade são verdadeiros mentirosos compulsivos. Eles podem começar um jogo emocional elaborado que leva a atenção deles e dos outros para longe da realidade em Aposto que lendo este texto já diagnosticou aquele seu amigo falastrão, sua sogra, ou até mesmo você como mentiroso compulsivo não é mesmo?


Quem não gosta de aumentar um ponto naquele conto?


Deixando de lado as mentiras que os MAV conservadores de direita contam, o diagnóstico dessa patologia deve ser minuciosa e atentamente realizado. A mentira patológica acomete pessoas com transtornos de personalidade narcisista, histriônica (excesso de emotividade e busca de atenção) e antissocial.


Essas características são notadas a partir de observações criteriosas, e quando tratadas prematuramente, diminuem o risco de evolução da doença.


Para buscar tratamento, o psiquiatra Leonardo Machado afirma que é preciso que o MAV conservador de direita mentiroso compulsivo procure, primeiro, reconhecer que precisa de ajuda. "A dificuldade é o indivíduo aceitar, dar-se conta, porque ele começa a viver a mentira. A base mais especializada [para tratamento] seria um médico psiquiatra ou também psicólogos. Na rede pública, deve procurar os Caps [Centros de Atenção Psicossocial] ou algum ambulatório", finaliza.

O tratamento mais eficiente é a associação do tratamento psiquiátrico para tratar sintomas depressivos e ansiosos com um acompanhamento psicoterapêutico que vise à reflexão sobre os próprios comportamentos, o desenvolvimento de mais autocontrole, o aumento da autoestima e permita um treinamento do comportamento de dizer a verdade. Sem confiança, geralmente os relacionamentos sociais são muito prejudicados e o maior desafio da terapia é formar uma relação de confiança, conforto e intimidade com o MAV conservador de direita.


Dentre os diversos tipos de psicoterapia, a Psicoterapia Centrada na Pessoa, criada por Carl Rogers, costuma ter efeitos duradouros. O Alprazolam (substância ativa) é indicado em conjunto no tratamento de transtornos de pseudolalia MAV conservador de direita. Os sintomas de ansiedade podem variavelmente incluir tensão, medo, apreensão, intranquilidade, dificuldades de concentração, irritabilidade, insônia e/ou hiperatividade neurovegetativa, resultando em manifestações somáticas variadas.


A distância do Twitter e de outros MAV conservadores de direita são imprescindíveis para o sucesso do tratamento do paciente.

Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.

Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.