RELIGIÕES EMPRESAS?

Atualizado: Abr 9

Primeiramente quero deixar claro que sou Ateu. A http://dragonrouge.se/ é mais uma "brincadeira" de meus tempos de Alemanha e Heavy Metal. Porém não tenho problema algum com quem tem fé, desde que esta fé seja positiva para a humanidade e para o próprio. Tenho afetos e desafetos com ou sem fé, para mim não importa em nada.


Porém em se tratando de um ser divino (ou divindades para os politeístas), com poderes de criar um universo, realmente acredito que não seriam necessários intermediários para tratar com ele(s) se o(s) mesmo(s) fosse(m) acessível(is). E caso não seja(m) acessível(is) por quais razões ele(s) elegeria(m) intermediários específicos para representá-lo(s)?


E mesmo em se tratando de que você julgue necessário intermediários, eu questiono por quais razões tem que se pagar "pedágio" para eles, para seguir o tratar com Deus(es)?


Se você julga que os intermediários precisam sobreviver, porque não então tornar as religiões também empresas, na questão de recursos financeiros, pagando impostos, prestando conta e sendo auditadas, num modelo de empresa S.A. Sociedade Anônima, com balanços aprovados e publicados para que os fiéis e Deus(es) possam saber o destino de seu dinheiro?


Uma das razões possivelmente...




Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.

Copyright © 2020 de Jair Lorenzetti Filho. Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor.